quinta-feira, 9 de agosto de 2012

O Diário de Renesmee IV: Capítulo 6 - Parte II


'O Diário de Renesmee IV' é a continuação da fanfic ‘O Diário de Renesmee’ 'O Diário de Renesmee II e III', e não tem nenhuma ligação com as mini fanfics ‘Tudo o que você sempre quis saber da Família Cullen’ ‘Emmett ensina travessuras a Nessie’.


É indicado que antes de ler esta fanfic você já tenha lido 'O Diário de Renesmee I''O Diário de Renesmee II' e 'O Diário de Renesmee III'.

Sobre os erros de português : Pedimos desculpas pelos erros de português que encontrarem na fanfic e fazemos o máximo possível para arrumar esses erros. Porém, como ninguém é perfeito, pode ser que ainda tenha alguns erros na fanfic.

Sobre ser lançado um livro com a fanfic: A fanfic é baseada na história da Stephenie Meyer e os direitos autorais são todos dela. Não podemos lançar um livro com a fanfic e não temos intenção nenhuma de fazer isso.

Sobre os capítulos : Os capítulos serão postados por semana, e qualquer imprevisto avisaremos nas redes sociais.

Abraços,
Anielle, Melissa e Dhayane.



Capítulo 6
De volta ao normal
Narrado por Renesmee


Quando entrei no escritório de meu pai, minha mãe veio até a mim e Jacob e segurou 
nossas mãos.

- Jacob e Renesmee, nós achamos melhor relatarmos a polícia o que aconteceu. – Ela nos disse. 

A primeira reação que tive foi ficar chocada e quase não acreditei no que ela disse, pensei que fosse algum tipo de piada. 

- O que?! – Jacob disse, ele estava mais surpreso do que eu, talvez até um pouco nervoso. – Vocês ficaram malucos?! 

- Ninguém ficou maluco, filho. – Carlisle disse para Jacob, tocando o ombro dele e esperando que ele ficasse mais calmo. – Provavelmente, não foi um vampiro que invadiu a casa de vocês na sexta-feira à noite, então é melhor procurarmos o invasor com a ajuda da polícia. 

- Polícia? Envolver policiais nisso é uma grande loucura porque não queremos chamar a atenção nessa cidade e... – A voz de Jacob desapareceu enquanto ele tentava explicar o que era óbvio. 

Uma das regras dos Cullen era nunca chamar atenção, e um roubo em uma cidade pequena era uma grande coisa. 

Tentei conversar com Jacob, mas ele estava muito nervoso e queria ficar calmo antes de falar comigo. Eu também precisava ficar mais calma antes de raciocinar sobre o que minha família tinha me contado. 

Minha avó sentou-se comigo no sofá da sala e me abraçou com carinho. Esme tinha um dos meus abraços preferidos no mundo, depois de minha mãe e meu pai. 

- Nessie, existe uma coisa boa nisso. Pelo menos, temos a certeza de que não existe nenhum vampiro nessa história toda. – Minha avó acariciava meu cabelo, enquanto dizia palavras que faziam sentido. 

- Eu sei. – Respondi. – Mas todos deveriam ter falado comigo e com Jacob antes disso. 

- Seu pai achou melhor não dizermos nada porque saberíamos que você nunca iria deixar a polícia se envolver nisso. – Minha mãe explicou. 

- Filha, não vamos chamar atenção de ninguém nesta cidade. A polícia está investigando discretamente. Eu prometo. – Meu pai me disse, e por alguma razão, confiei nele. 

- Eu preciso falar com Jacob. – Levantei-me do sofá e fui em direção ao nosso quarto. 



- Jake? – Eu entrei no quarto e o vi sentado na beira da nossa cama. Sentei ao lado dele e peguei uma de suas mãos febris. 

- Jacob. – Eu o chamei, e ele olhou para mim. – Eu sei que tudo isso é muito confuso, mas... 

- Nessie, isso é loucura. Chamar a polícia para se envolver nisso é uma das coisas que eu nunca imaginei sua família fazendo. Se um vampiro estiver atrás de nós, várias pessoas irão se prejudicar. 

Eu ri, nervosa. Eu também não esperava que minha família relatasse roubo na delegacia de International Falls, mas era ótimo saber que não era um vampiro. 

- Não é um vampiro, Jacob. Nós temos certeza disso. – Eu tentei confortá-lo, mas era tudo o que eu poderia fazer. Jacob não acreditaria que não era um vampiro até acharmos o invasor. 



No final da tarde, fomos até a delegacia para depormos sobre o roubo. Jacob foi obrigado, e porque eu tinha pedido a ele para ir comigo e com meu pai. Ele disse tudo sobre aquela noite e eu também disse somente a verdade. 

Quando chegamos em casa, minha família esperava por nós. Jacob deu um abraço em minha mãe, enquanto meu pai tocava no ombro dele e dizia para ele ficar mais calmo. Era compreensível o quanto Jacob estava preocupado, ele já havia passado por várias situações de risco quando era apaixonado pela minha mãe, e eu tinha certeza absoluta que ele não queria repetir a dose comigo. 



Estávamos deitados em silêncio na nossa cama, mas eu sabia que Jacob não estava dormindo assim como ele sabia que eu também não estava. Então, ele desabafou: 

- Está difícil dormir. Minha cabeça está a mil por hora. 

- Eu sei... – Respondi, desanimada. – Tudo vai ficar bem, amor. Nossa família está lá embaixo, não vai acontecer nada. 

Jake se ajeitou na cama e eu deitei em seu ombro. Fiquei quieta sentindo sua respiração quente e suas mãos na minha cintura, ficamos em silêncio até adormecermos. 



No dia seguinte, acordamos bem cedo, pois tínhamos que ir para a faculdade. Jake se levantou primeiro e entrou no banho, enquanto eu ainda dormia. Acordei com o barulho do chuveiro, então fui escolher minha roupa. 

Quando ele saiu, de roupão, me deu um beijo na testa e disse: 

- Bom dia, amor. 

- Bom dia, Jake. – Eu respondi, com sono. 

Entrei no banho quente e quando sai ele já estava arrumado. Ele vestia uma calça jeans escura e uma blusa aparentemente de malha de algodão marrom com mangas compridas e um cordão na gola, que servia para regular o capuz, um tênis branco com o símbolo da marca em cinza. Olhei pra ele e sorri, até parecia que Alice havia o ajudado a escolher a roupa. 

Em seguida, entrei no closet e me vesti. Eu tinha escolhido um vestido preto que ia até a altura do joelho, de decote em “V”, com mangas com um casaco cinza e uma sapatilha cinza, e uma bolsa marrom simples. Assim que saí do closet e Jacob exclamou: 

- Nossa! – Ele me olhou, impressionado. - Caprichou, hein?! Nem parece que vai estudar... 

- É. – Eu fiquei sem graça. – Está demais? 

- Não, está linda. – Ele disse com um sorriso torto, enquanto vinha na minha direção e me beijava. 

- Vamos? – Eu perguntei, depois do beijo. 

Ele olhou pra mim, arqueou as sobrancelhas, suspirou e falou: 

- Vamos! 

Saímos do quarto e Alice estava no corredor, nos esperando. Ela e Jasper nos escoltariam até a faculdade hoje. Assim que viu nossas roupas, combinando um pouco entre si, deu pulinhos de alegria: 

- Vocês estão lindos! Acho que não vão precisar da minha ajuda para se vestir, não é? 

- Claro que não. – Jacob respondeu rápido, ele não queria ser um boneco para Alice vestir. 

Eu ri com a reação dele, mas minha mãe nos interrompeu dizendo que havia preparado panquecas doces e frutas para o café da manhã. 

- Caprichei no café, pois hoje vocês terão um longo dia. 

Percebi que meu pai não estava com minha mãe na cozinha, então corri até a sala e só vi meu avô sentado no sofá, lendo o jornal da cidade. 

- Onde está meu pai? – Perguntei. 

- Oi, querida. Bom dia. Seu pai e Emmett foram resolver algumas coisas da nossa mudança para cá, afinal não podemos morar na sua casa para sempre. 

- Ah, entendi. – Eu estava surpresa. – Bom, desculpe por ter atrapalhado sua leitura, vovô. Tenha um bom dia. 

Voltei à cozinha e tomei o meu café da manhã. Ao terminar, eu e Jacob agradecemos minha mãe e meu pai chegou antes que fôssemos embora. 

- Vocês já vão? – Ele perguntou, enquanto saia do carro na companhia de Seth e Melissa. 

- Jacob, Nessie! – Seth disse, com alegria por nos ver. Ele me deu um abraço forte e cumprimentou Jacob com aquele abraço de homem. Melissa limitou-se a acenar com a cabeça e deu um meio sorriso. 

- Entrem no carro, senão vocês vão chegar atrasados na faculdade. Seth e Melissa irão com vocês. Eu tive tempo de matriculá-los ontem. – Meu pai explicou. 

Eu fiquei feliz por Seth ir conosco para a faculdade. Ele sempre animava as coisas. 

- Tudo bem, pai. – Falei e lhe abracei, ele me deu um beijo na testa e falou. 

- Tenham cuidado. Irei ligar no intervalo para saber se está tudo bem. 

- Ótimo. – Disse Jacob, com sarcasmo. Entramos no nosso carro com Seth e Melissa, enquanto éramos escoltados por Alice e Jasper em outro carro. 

No caminho, tivemos tempo de colocar a conversa em dia. Seth iria estudar Engenharia Mecânica com Jacob e Melissa entrou no curso de Arquitetura. Eu perguntei a ela se não estava cansada de estudar, mas ela disse que não se importava e que nunca havia tido tempo para estudar Arquitetura, e que era uma das coisas que ela gostava. 

Quando chegamos à faculdade, Tyler e sua turma estavam reunidos em um pequeno grupo, conversando coisas sem importância. Jacob apresentou Seth como seu primo e Melissa como a namorada dele. Tyler começou a fazer perguntas bobas para Seth e Melissa, como que curso estavam fazendo, se estavam gostando da cidade, de onde tinham vindo... Até que o irmão inconveniente de Tyler, Marcus, apareceu, olhou para mim e assoviou. 

- Oi, gata. – Ele disse e depois caiu em uma gargalhada maldosa com seu grupo de amigos. 

A mão de Jacob que estava grudada na minha tremeu, e eu a apertei com mais força com medo de que Jacob pudesse ficar nervoso demais. Tyler e seus amigos ficaram quietos, observando qual seria a reação de Jacob que continuava a fuzilar Marcus com o olhar, até que ele desaparecesse entre outras pessoas. 

- Quem era aquele? – Seth perguntou, inocentemente. 

- Marcus, meu irmão mais velho. – Tyler explicou. – Mas já adianto que não tenho nada a ver com ele, Jacob e Renesmee sabem disso. 

Tyler olhou para mim, esperando uma confirmação. 

- Sim, você é nosso amigo. – Eu disse. E escutei Jacob bufar, nervoso. 

- Se eu fosse você, acabava com Marcus. Ele bem que merecia uns bons socos, não é? – Kate se intrometeu, torcendo fervorosamente por uma briga. Eu olhei com raiva para ela e disse que precisava comprar uma garrafa de água na lanchonete da faculdade, levando Jacob comigo. 

- Não pense em fazer nenhuma besteira. Está me ouvindo, Jacob? – Eu peguei o queixo dele e fiz ele me olhar nos olhos, enquanto pagava por uma garrafa d’água. 

Eu não precisava que Jacob arrumasse uma briga na faculdade porque um cara qualquer havia sido desrespeitoso comigo, não mesmo. 

- Eu não vou, mas eu quero. – Ele disse. 

- Mas você não vai fazer isso, nunca. Eu não quero que você faça nada, promete? – Eu fiz Jacob me prometer que não faria nada, e ele prometeu, andando nervoso até sua aula e eu para minha. Como se eu pudesse me concentrar em outra coisa que não fosse Jacob nervoso e quem era o invasor de nossa casa. 



No carro com Jacob, Seth e Melissa eu comecei a tagarelar: 

- É, parece que a faculdade e os nossos novos amigos conseguiram nos distrair. E ainda bem que não aconteceu nada fora do normal. 

- Pois é. – Jacob respondeu. 

- Eu tava pensando em como Tyler e Marcus não têm nada haver um com outro, a não ser pela aparência. Eles nem parecem que são irmãos, possuem atitudes totalmente distintas e parecem que foram criados por pessoas diferentes. 

- Eu fiquei com vontade de dar um soco na cara daquele Marcus. Só não fiz nada porque você estava praticamente pendurada no meu braço e tínhamos platéia. – Jacob comentou, com raiva. 

- Sim. Eu estava segurando você bem forte justamente para evitar uma ação ruim de sua parte. 

Ele olhou pra e mim e começou a rir, não resisti, e comecei a rir também. 

- Agora estamos voltando ao suspense, voltando a nossa casa... – Jacob lamentou. 

Chegamos em casa e ficamos naquele clima estranho mais uma vez, até que dona Abigail e seus filhos bateram em nossa porta com uma torta de maça quentinha. Quem abriu foi Jacob, eu olhei pela janela da sala para ver quem era, e em seguida, minha tia Rosalie perguntou quem havia batido na porta, ficando no campo de visão da porta aberta. 

Abigail ficou boquiaberta, seu queixo quase caiu... Eu imaginei quais haviam sido as conclusões dela: Jacob estava me traindo com uma loira linda, mas tratei de apresentar minha tia, ou melhor, “cunhada”. 

- Dona Abigail, essa é minha cunhada, Rosalie. Minha família vai passar um tempo conosco. 

- Ah, claro. Boa Tarde! – Ela entrou em nossa casa, sem ninguém convidá-la, e minha tia agradeceu a torta e foi à cozinha, onde o resto da família estava reunida. 

Jacob olhou para mim com as sobrancelhas erguidas e fez sinal para Dona Abigail, que regulava cada canto da casa com seus olhos peculiares. Eu mordi a bochecha para não rir, e Jacob disfarçou a risada com um pigarro. 

Marcus se acomodou no sofá. Tyler começou uma conversa com Jacob, mas foi interrompido pela sua mãe. Jacob ignorou Marcus completamente, e eu fiquei orgulhosa por ele não ter dado a briga que todos na faculdade queriam. 

- Quero que conheçam meus filhos, Marcus e Tyler. – Ela disse sorrindo e apontando para ambos. 

- Ah! Nós já os conhecemos na faculdade. – Eu respondi. 

- É, mãe, nós já se conhecemos. – Marcus confirmou, com um tom de malícia. Ele parecia inquieto no sofá, como se estivesse pronto para ir embora ao mesmo segundo. 

- Que bom! – Ela respondeu, e em seguida, meus pais e meus avôs entraram na sala e se apresentaram. 

- Olá, eu sou Bella, irmã de Renesmee e esse é meu companheiro, Edward. – Minha mãe disse e Dona Abigail regulou a roupa dela, um vestido de tafetá preto que ela havia escolhido. 

- Eu sou Carlisle, e esta é minha esposa, Esme. – Carlisle apertou a mão de Dona Abigail, e ela sorriu. 

Abigail cumprimentou Esme e disse: 

- Parabéns! Sua família é linda! 

- Obrigada! – Esme respondeu. 



Dona Abigail conversou mais um pouco comigo, enquanto meus pais e meus avôs subiram. Marcus andava de um lado para o outro na casa, e às vezes, tentava provocar Jacob, sem sucesso. Eu fiquei orgulhosa por Jacob estar aguentando, e também não via a hora de todos irem embora, exceto Tyler. Dona Abigail fazia perguntas demais e Marcus me encarava. 

Até que tive que tomar uma atitude grossa, a meu ver, e mentir para Dona Abigail e seus filhos que eu e Jacob precisávamos sair para resolver algumas coisas. Ela se desculpou, sem o mínimo de culpa, e foi embora. Jacob suspirou aliviado, e eu estava esgotada de raciocinar para responder sobre a decoração, pisos e tintas da minha casa. Ô senhora curiosa! 

Eu e Jacob tomamos um banho relaxante, e enquanto conversávamos sobre outros assuntos com a nossa família, meu pai fez um comentário interessante. 

- Marcus estava muito inquieto, era como se já conhecesse a casa. Ele estava pensando em uma desculpa para ir embora de cinco em cinco minutos. – Ele explicou. 

- Você ouviu algo nos pensamentos dele que comprometesse, pai? – Perguntei. 

- Não, querida. Ele só estava imerso em vários assuntos diferentes, consegui ler a maioria deles que não eram interessantes como bebidas, festas e amigos de má índole. 

- Acha que ele pode ter algo a ver com o roubo? – Minha mãe perguntou. 

- Eu não sei. – Meu pai respondeu. 

Estávamos todos em silêncio, raciocinando sobre o que meu pai havia dito, quando eu levei um susto. Meu celular tocou estridente. Era Tyler, e eu me perguntei porque ele estava ligando tão tarde. 

- Oi, Nessie? É o Tyler. 

- Oi. O que houve? – Perguntei. 

- É que depois que saímos da casa de vocês, minha mãe começou a fazer algumas perguntas ao meu irmão até ele confessar que havia roubado a casa de vocês. E ainda disse isso com orgulho. Estou muito envergonhado, mas achei que você gostaria de saber por mim, primeiramente. Acho que não é a primeira vez que ele rouba algo, pois ele disse que arrombou a porta de vocês. Minha mãe está arrasada, ela acabou de chamar a polícia e irá fazê-lo se entregar. 

- Ah meu Deus! – Eu exclamei. E minha família ouvia tudo com atenção, alguns surpresos e outros aliviados. - Como está sua mãe? 

- Ela está bem, Nessie. Não se preocupe. E me perdoe pelo colar, nunca pensei que isso fosse acontecer. 

- Você não tem que pedir perdão, quem fez isso foi seu irmão e não você. Estou feliz de saber que não foi algo mais grave, o colar é importante para mim, pois eu ganhei de presente da minha mãe. 

- Mas de todo jeito, eu sinto muito. A polícia já vai entrar em contato com vocês e devolver o colar. 

- Tudo bem, Tyler. – Respondi. – Tenha uma boa noite. 

- Boa noite. – Ele respondeu, desanimado. 

Desliguei o telefone e suspirei com o alívio... Sorri para Jacob, pelo menos não era um vampiro e sim um jovem rebelde. O colar havia de ser devolvido e tudo ficaria bem comigo e com a minha família. 

- Parece que tudo foi resolvido. – Eu comentei. 

- Ah, que bom, querida. – Minha mãe me abraçou. – Vamos reforçar a segurança da casa de vocês e vamos nos mudar semana que vem para nossos lares aqui, na mesma rua. 

- Podíamos morar em casas interligadas, assim vocês poderiam me visitar a qualquer hora. – Eu sorri para todos que eu amava. 

- Vocês estão esquecendo-se de um detalhe. Marcus irá ser preso, e como ele nos adora, – Jacob disse irônico – vai ser mais um motivo para ele nos perturbar, de alguma maneira. 

Todos ficaram em silêncio novamente, mas eu prometi a mim mesma que não iria pensar naquilo. Marcus ficaria preso por algum tempo e nos deixaria em paz. 

E quem diria que o jeito intrometido da dona Abigail iria solucionar todo aquele suspense? 

Finalmente, nossa vida poderia voltar ao normal, ou pelo menos, o que eu achava que era normal.


Esperamos que gostem e comentem
Abraços!

20 comentários:

  1. até que fim um pouco de paz!Já tem data marcada para o proximo capitulo?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Maria, ainda não temos data marcada para o próximo :(

      Excluir
  2. Muito bom queridas esse muleque tem que aprender que nao se mete com os Cullens!!!rsrsrs
    adorei espero anciosa pelo proximo capitulo.
    D++++++++++++++++++++++!!!
    Ass,Denise gomes

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que você adorou, Denise! Ficamos felizes com isso.

      Abraços!

      Excluir
  3. GOSTEI MUITO! CADA VEZ MELHOR!

    ResponderExcluir
  4. nossa é tao perfeito, eu no consigo parar de ler meu deus!! parabens

    ResponderExcluir
  5. Olá, gostei muito! Parabéns;
    Mal posso esperar pelo proximo capitulo...

    ResponderExcluir
  6. Gente estou adorando a fanfic.Está perfeita!Vcs ainda estão escrevendo a fanfic?abraços!

    ResponderExcluir
  7. AI GAROTAS JA ESTOU ROENDO O DEDO PORQUE AS UNHAS ACABARAM ESPERANDO O CAPÍTULO 6, MUITO ANCIOSA PARA QUE O CAPÍTULO 7 SAIA LOGO!
    BEIJOS BOA SORTE,NO DESENROLAR DO CAPÍTULO 7!


    Ass: DENISE

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Denise, te respondi no facebook :) Obrigada pelo apoio! Abraços!

      Excluir
  8. Olá pessoal, infelizmente, esta semana não teremos capítulo novo.

    O desencontro das autoras e a vida pessoal acabou atrapalhando um pouquinho, mas semana que vem estamos de volta. Abraços!

    ResponderExcluir
  9. Quando vai sair o próximo capítulo?Estou ansiosa!bjos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, ainda não temos uma data :(

      A espera valerá a pena!! Abraços!

      Excluir
  10. Hey meninas!


    Aqui é o Mateus( Mateus Castro, que comentou um monte de coisa nos capítulos anteriores), tenho que falar:
    Os capítulos que sucederam os que eu comentei ficaram realmente perfeitos!Um pouco de românce, um pouco de suspense, um pouco de tensão... Um pouco de tudo! Minha nota para isso é 10!
    Agora vou fazer uma sugestão, só pra mostrar que eu estava pensando e escrevendo enquanto estava sem ler a fic( ficar sem net é horrível,mas, deu tempo d'eu estudar,então está tudo okay!).
    Nas outras fic's o amor da nossa amada,idolatrada (salve! salve!)Renesmee é testado por vampiros que podem mudar de cheiro e aparência, outros lobos,etc. Por que não testar a magia dos lobos contra a "magia" de uma vampira mais sexy que o comum, mais perfeita que um anjo e com o dom de fazer os outros(até mesmo lobos, ou mulheres) se apaixonarem, de acordo com a sua vontade???? Isso seria legal, mas, eu não sei o que vai acontecer nessa fic e nem a vontade de vocês para uma futura fic!( e eu tirei essa ideia de uns comentários nas primeiras fic's)
    E agora uma ideia completamente minha... Uma espécie de transmorfo que não descende dos Quileutes e que só pode se transformar na semana da Lua(lembrando um pouco os lobisomens de verdade) essa espécie foi caçada pelos Volturi a um milênio e meio antes da Renesmee nascer e se esconde nas sombras até a data em que eles decidem seguir o estilo de vida dos Cullen, mas, eles são perigosos e não se pode brincar com eles quando eles perdem o controle( geralmente isso acontece quando a Lua aparece no céu)...
    É isso aí... Boa sorte na continuação da fic *-*

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Mateus, quanto tempo!

      Obrigada, ficamos muito felizes que você tenha gostado e seus comentários sempre são legais e ajudam na hora de escrever!

      Não sei se você notou, mas a fanfic está parada por falta de tempo e desencontro das autoras =( Estamos trabalhando nisso, e esperamos que esta semana a fanfic volte.

      Repassei sua ideia para elas, e vamos ver o que pode surgir dos seus comentários! Imaginação é o que não falta rs

      Obrigada novamente pelos comentários e continue comentando o que achou :)Abraços!!

      Excluir
    2. Hey, olha eu aqui!

      Agradeço muito a apreciação de vocês pelos meus comentários ^^ eu tô bem ansioso pelo próximo capítulo, eu também notei que os capítulos estão maiores então, tudo certo... Eu esperarei até sair!!

      Abraços!!
      Ps:Eu precebi que a fanfic parou por um tempo...

      Excluir

Pedimos que comentem suas opiniões, críticas e ideias com o devido respeito, ou seja, sem palavras obscenas ou grosseiras. Caso contrário, seu comentário será deletado.

Sintam-se a vontade para perguntar e tirar suas dúvidas sobre qualquer postagem do blog. Se quiser que uma resposta de volta, deixe seu e-mail. Abraços!