terça-feira, 9 de julho de 2013

O Diário de Renesmee IV: Capítulo 12 - Parte II

O Diário de Renesmee IV' é a continuação da fanfic ‘O Diário de Renesmee’ 'O Diário de Renesmee II e III', e não tem nenhuma ligação com as mini fanfics ‘Tudo o que você sempre quis saber da Família Cullen’ ‘Emmett ensina travessuras a Nessie’.


É indicado que antes de ler esta fanfic você já tenha lido 'O Diário de Renesmee I''O Diário de Renesmee II' e 'O Diário de Renesmee III'.

Sobre os erros de português : Pedimos desculpas pelos erros de português que encontrarem na fanfic e fazemos o máximo possível para arrumar esses erros. Porém, como ninguém é perfeito, pode ser que ainda tenha alguns erros na fanfic.

Sobre ser lançado um livro com a fanfic: A fanfic é baseada na história da Stephenie Meyer e os direitos autorais são todos dela. Não podemos lançar um livro com a fanfic e não temos intenção nenhuma de fazer isso.

Sobre os capítulos : Os capítulos serão postados por semana, e qualquer imprevisto avisaremos nas redes sociais.

Abraços,
Anielle, Melissa e Dhayane.


Capítulo 12
A Fuga
Narrado por Renesmee e Jacob



Dirigi mais de 200 quilômetros até parar em uma lanchonete na beira da estrada para ir ao banheiro e verificar se ninguém havia desconfiado sobre a minha fuga. Meu celular tocou, era minha mãe. Eu tremi, mas acabei atendendo.

- Oi, mãe.

- Oi, querida. Tudo bem? 

- Sim e você e o papai, como estão? - Perguntei com a voz trêmula.

- Está tudo bem. Você já chegou?

- Sim. Estou no hotel. Aqui é muito bonito.

- Ah, que ótimo! Seu pai quer ver algumas fotos.

Droga, eu sabia que ele estava me testando!

- É claro. - Menti. - Assim que puder eu envio algumas por e-mail, mas já vou avisá-los que vim aqui para descansar e não para fazer turismo.

Minha mãe riu e nós nos despedimos. Eu tinha certeza que a minha mentirinha não iria durar muito tempo.


Parei de carro no local onde combinamos de nos encontrar. Eles viriam de avião até uma certa parte, e depois se transformariam em lobos e correriam até onde eu estava. Passei o tempo lendo alguns mapas e me distraindo no celular, até que ouvi movimentos na floresta.

- Olá, Nessie. - Sam sorriu pra mim na frente do meu carro, e eu sai para dar um abraço em todos eles.

Sam, Quil, Paul, Jared, Embry e até mesmo Leah tinham vindo para me ajudar. Havia alguns outros meninos, os quais eu não me lembrava de ter conhecido.

- Esses aqui são Collin, Brady e Kyle. - Eu dei um aperto de mão em cada um e agradeci por terem vindo de tão longe.

- A última vez que te vi você era criança. - Brady disse e eu sorri. Apesar de visitá-los várias vezes ao ano, eu ainda não conhecia toda a matilha.

- O que tem em mente, Nessie? - Sam perguntou.

- Acho que sei, mais ou menos, a localidade de Jacob. Talvez se fizermos algumas patrulhas, podemos encontrá-lo.

- Como você sabe? - Paul me perguntou.

- Pode parecer besteira, mas... - Eu fiquei com vergonha. Um bando de homens não iriam acreditar que Jacob poderia estar se comunicando comigo através de sonhos.

- Mas? - Leah me incentivou.

- Acho que sonhei com Jacob no local onde ele está. Parecia real.

Os meninos mais jovens riram, mas Sam e Paul mantiveram suas expressões. Me senti idiota.

- Olha, eu sei que parece uma tremenda besteira... - Expliquei.

- Você sabe exatamente onde fica o local? - Sam perguntou.

- Não. - Respondi. - Porém, eu acho que não é muito longe. Também tenho suspeitas de quem está com ele.

- Marcus é o nome do cara, não é? - Embry interveio.

- Sim. - Confirmei. - Fiz uma lista de lugares abandonados por essa região. Encontrei 20 onde Jacob possa estar.

- Então, vamos começar a procurar! - Sam deu algumas ordens a um grupo e depois seguiu comigo de carro ao primeiro local.



- Você acha que isto pode acontecer? - Perguntei a Sam que estava concentrado no mapa, e sentado ao meu lado, enquanto eu dirigia.

- Os seus sonhos?

Confirmei com a cabeça.

- Sim, eu acredito. Há uma ligação muito forte em todos os imprintings, mas acho que o seu e de Jacob é ainda maior. Afinal, ele estava na sua vida antes mesmo de saber que sua mãe seria a sogra dele.

Eu ri. De fato, nem Jacob e nem minha mãe sabiam o que iria acontecer.

- Por que sua família não veio para ajudar?

- Talvez porque eles achariam loucura da minha parte. - Dei de ombros. - Não contei a eles.

- Acho que eles viriam ajudar.

- Eu sei que sim, mas eu já coloquei a vida da minha família em risco muitas vezes. Não me entenda mal, Sam. Vocês lobos também são minha família, mas vocês podem procurar por Jacob sem serem vistos. Já a minha família, eles... Eles chamam muita atenção em cidades pequenas como essa que estamos. E se alguém os reconhecesse, acho que matariam Jacob mais rápido.

- Você está certa.

- Além disso, já salvamos a vida do irmão do Marcus, Tyler, sem dar muita explicação. Se acharmos Jacob sem a polícia, vamos começar a ser observados de perto.

- Farei tudo o que puder para achar Jacob, Renesmee, mas devo confessar que minhas esperanças não estão muito profundas.

- Sam... - Meus olhos lacrimejaram só de pensar.

- Jacob já teria se transformado e acabado com todos que estão fazendo mal a ele, você não acha?

- Eu sei, mas e se estiver protegendo a família como sempre fez? E se estiver tão machucado que não tem forças para lutar?

Sam ficou em silêncio analisando meu argumento, mas pela sua expressão eu sabia que ele acreditava que Jacob estava morto há muito tempo.


Narrado por Jacob

- Esse cara é estranho. Ontem, demos uma surra nele e hoje ele não está com um arranhão. Vocês sacaram isso? - Um dos capangas de Marcus perguntou a outro.

- Isto só nos dá motivo para batermos mais. - O outro riu e eu suspirei.

Sabia que eles iriam acabar percebendo a minha cura rápida logo, e sabia que isto iria acabar me prejudicando.

- Até quando vamos manter esse cara aqui? Estou de saco cheio dele! - Ouvi eles comentarem de longe demais para algum humano ouvir, mas eu podia.

- Até acharmos a garota dele, ou algo assim. Marcus andou procurando por ela, mas na Universidade todos sabem que ela decidiu viajar para esquecer o seu maridinho.

Eu sorri com a notícia. Nessie estava vindo, então significava que minha concentração de tentar contato com ela estava funcionando. Ao mesmo tempo que estava feliz, estava preocupado. Será que a minha teimosinha viria sozinha? Eu não duvidava disso.

Narrado por Renesmee

Ao fim da noite, levei toda a matilha para um hotel perto de onde eu ficaria hospedada. Como havia oito meninos, eles dividiram quatro quartos. E Leah acabou ficando sem graça por não saber onde iria ficar.

- Prefere ficar com eles ou comigo? - Intimei e ela disse que preferia o meu cheiro a ficar em um quarto com dois insuportáveis.


Foi bem estranho ficar com Leah deitada em uma cama perto de mim, mas ela desmaiou rapidamente e eu fiquei com os olhos abertos a noite inteira. De manhã, pedi café da manhã no quarto e ela ficou satisfeita.

Nos dividimos em três grupos e fomos procurar pelos lugares abandonados. Sam e Paul ficaram comigo, por precaução. Nós passamos o dia inteiro procurando e não encontramos Jacob. Alguns pareciam desmotivados a procurar depois de hoje, mas senti que Sam confiava na minha intuição.

Segui para o hotel junto com Leah e a mesma entrou no banho assim que entramos no quarto. Eu senti na cama e olhei meu celular para ver se tinha alguma mensagem de minha família, mas não tinha. Suspirei aliviada. Era difícil mentir para eles, porém necessário.
Leah saiu do banho vestida com seu pijama de moletom Ela parecia cansada e irritada, então segui quietinha para o meu banho e quando saí ela já estava roncando. Depois de muito tempo, peguei no sono.


- Ei, sangue-suga! - Leah sacudia meu ombro e eu abri meus olhos imediatamente.

- O que foi? Você enlouqueceu? - Perguntei a ela.

- Quem enlouqueceu foi você que começou a gritar que nem uma louca!

- Gritar? - Eu não me lembrava de ter gritado. - O que eu gritava?

- O nome de Jacob!

- Desculpe, Leah. Eu ando completamente perturbada esses dias.

- É, percebi. - Ela deitou em sua cama e foi dormir novamente.

O relógio marcava duas da manhã. Eu tentei me lembrar do pesadelo que tive, mas não conseguia. Tudo o que eu lembrava é que sonhei com algo escuro e não conseguia enxergar, mas não tinha certeza se era realmente um sonho.

- Olha, você pode parar de falar sozinha? Eu estou querendo dormir!

Leah interrompeu meus pensamentos e eu fiquei irritada. Eu estava conversando baixinho comigo mesma, tentando me lembrar de algo. “Vamos, Renesmee, vamos!”

- Leah, ninguém está te obrigando a procurar por Jacob, então se quiser dar o fora daqui fique a vontade!

Ela me encarou por alguns segundos e se sentou na cama.

- Você acha que só você está preocupada com ele? Acha que só você gosta de verdade de Jacob e quer encontrá-lo?

- É claro que não!

- O que vai fazer se quando encontrarmos ele estiver morto?

As palavras dela eram duras, portanto reais. Eu quase nunca gostava de ouvir a verdade e estava evitando essas perguntas a todo momento. Eu sabia o que minha família pensava, eu sabia o que a matilha pensava: Jacob tinha chances de estar morto. Seu corpo poderia estar em qualquer lugar, ou talvez nunca fossemos encontrá-lo.

Eu me arrepiei ao pensar nisso. Uma lágrima escorreu pelo meu rosto. O que eu faria se Jacob estivesse morto?

- Viu, só? É disso o que eu estava falando. Você só se preocupa com você mesma, Renesmee.

- Não é verdade! - Eu gritei. - Você é arrogante e me acha uma patricinha, mas eu não sou tudo isso o que você acha!

- Ah, é? Então me diz o que você andou fazendo além de chorar estes dias que Jacob desapareceu?

- Eu chamei vocês aqui, não foi? Eu quero encontrá-lo e eu vou!

- Então faça isso!

Ela se virou e voltou a dormir em segundos. Eu chorei a noite inteira. Eu pensava em vários métodos de achar Jacob, mas não agia de nenhuma forma. Era a hora de eu fazer alguma coisa pela pessoa que eu mais amo no mundo.



Sai sozinha pela manhã, antes de todos. Deixei um recado na recepção do hotel para avisar Leah e Sam de que eu havia saído. Quando acordei e fui me arrumar, vi uma pessoa diferente no espelho. Era eu, só que mais magra, com olheiras e meus cabelos já não tinham mais brilho. Leah estava certa, eu era impotente demais. Às vezes, eu me esquecia de quem eu era. Esquecia que eu tinha mais forças que os humanos. Eu esquecia que podia matar.

Cruzei a estrada para localizar meu quinto lugar hoje. Já era cinco da tarde e eu voltaria para o hotel em breve. Estacionei longe do lugar e fui inspecionar.

O galpão era sujo, fedido e parecia abandonado. Eu entrei assustada, porém em alerta. Poderia ser uma armadilha. As janelas estavam quebradas como se alguém tivesse fugido por ali, e por um momento eu imaginei Jacob fugindo por uma janela. Parei com o pensamento assim que ele veio, eu estava esperando pelo pior. Tinha que estar preparada caso precisasse me vingar.

Andei até algumas ferramentas que se encontravam ali e quando dei mais um passo a frente senti cheiro de sangue. Não era muito sangue. Apenas algumas gotas. Me abaixei para cheirar e quase encostei meu nariz no chão. O sangue não era humano. 

Comecei a procurar mais indícios antes de chegar a conclusão que o sangue era de Jacob. Procurei por tudo, mas não encontrei mais nada. A única coisa que encontrei foi uma corrente que parecia com a que Jacob estava amarrado nos meus sonhos, mas correntes eram quase todas iguais. O local fedia a humanos, porém o sangue que encontrei não era humano, o que me levava a pensar que era o sangue de Jacob.


Voltei sozinha para o hotel. Já era noite e estava escuro demais para procurar por outro local onde Jacob poderia estar. Quando cheguei ao meu quarto, todos estavam reunidos por lá. Sam, Quil, Paul, Jared, Embry, Leah, Collin, Brady e Kyle. Eles me olhavam com pena, suas faces estavam expressivas por demais e eu me perguntei o que havia acontecido.

- Renesmee... - Leah foi a primeira a se pronunciar. E pelo seu tom de voz eu sabia que algo ruim havia acontecido.

- O que aconteceu? - Perguntei, e minha voz saiu tão rápida que me perguntei se eles haviam entendido.

- Não aconteceu nada. - Sam explicou. - E é isso que nos preocupa.

- Não encontramos nada, Nessie. - Embry disse. - Todos os lugares que você nos deu para procurar... Em nenhum deles há rastros de Jacob. Tentamos fazer algumas patrulhas novas pelas região, mas não há nada.

Eu me sentei devagar e tentei raciocinar. Talvez eu estivesse procurando por Jacob no lugar errado...

- Lamento muito, Nessie. - Quil tocou meu ombro em um gesto amigável, mas eu não conseguia sentir nada agora. Meu cérebro estava trabalhando a todo vapor.

- Tudo bem. Obrigada a todos pela ajuda. - Eu tentei sorrir e dei um abraço em cada um deles, menos em Leah que se contentou com um aceno rápido.

Não consegui dormir, e não era pelos roncos de Leah ao lado da minha cama. Era minha mente que tentava questionar o que estava errado. Uma parte de mim não aceitava a morte de Jacob. Toda vez que eu fechava os olhos eu o via sorrindo e me lembrava de como ele era forte, destemido, ágil e corajoso. Ele não iria se entregar para um humano tão fácil. Eu acreditava no meu marido, eu sabia quem ele era mais do que qualquer um.

Levantei da cama. Eu ainda estava com a mesma roupa de manhã, então fechei a porta delicadamente para não acordar Leah e segui pelo corredor. Enquanto esperava o elevador, uma mão puxou meu braço e eu automaticamente esmurrei a pessoa.

- Sua maluca! - Era Leah. O nariz dela estava sangrando. Eu imediatamente comecei a me desculpar e tentar acalmá-la.

- Tudo bem, eu não deveria ter chegado como uma sequestradora. - Ela se endireitou e olhou para mim. - Para onde estamos indo?

- Ei, é para onde eu estou indo. Você vai ficar aqui.

- Não, eu vou com você. Me conte sobre os seus planos.

- Não irei te contar nada, Leah.

- Você não vai procurá-lo sozinha.

- E quem disse que eu irei procurá-lo? Eu só quero dar uma volta. - Tentei enganá-la, mas já sabia que não daria certo.

- Você sabe que vou com você mesmo você não me dando uma carona, não é? - Ela riu.

- É claro, Leah. Vamos lá!


Voltei ao último galpão que eu tinha estado essa tarde. Contei a Leah sobre o sangue e ela apoiou minha decisão de voltarmos lá. Leah se tornou loba uns 10 metros antes de chegarmos ao local, e eu também decidi ir andando. Quando cheguei perto o suficiente para ouvir algo, parei e me escondi atrás dos arbustos. O galpão ficava imerso em uma floresta, mas a plantação na frente dele parecia proposital para escondê-lo. Como se alguém decidisse não cortar a mata que crescia em volta para que passasse despercebido durante a estrada.

Eu podia ouvir Leah, minha respiração e alguém dentro do galpão. Alguém, não. Eram quatro pessoas e uma delas estava perto da porta. A segunda e a terceira pareciam conversar baixinho e a terceira tinha a respiração de quem estava dormindo. 

Tomei um grande susto quando ouvi dois carros se aproximarem e me escondi ainda mais. Eram três horas e quartoze minutos da manhã e estranhei que alguém quisesse fazer uma visita a um galpão a essa hora.

Assim que o indivíduo saiu do carro, eu quase gritei. Um misto de emoção, coragem, alegria e tristeza ficaram intalados no fundo da minha garganta. Marcus estava lá com mais cinco homens, quase na minha frente e agora eu tinha certeza que o homem que estava dormindo lá dentro era o meu Jacob.


- Você está louca? Não podemos invadir do nada. Precisamos ir com calma... - Eu disse a Leah bem distante do galpão, mas não longe o suficiente para observar se algum carro saísse de lá.

- Temos que retirá-lo de lá o mais rápido possível. Podemos entrar e matar todo mundo...

- Não, Leah. Seríamos mortas rápido demais ou você acha que Marcus e sua quadrilha não tem armas e munições o suficiente para acabar com a gente?

- Odeio admitir, mas você está certa, vampirinha. - Ela revirou os olhos. - Precisamos de ajuda.

- Não. Vou tirá-lo de lá sozinha quando não estiver ninguém no galpão.

- Você pode ser morta tanto quanto eu. Se alguém atirar no nosso coração ou na cabeça, nós podemos morrer.

Leah estava eufórica, querendo lutar. E eu queria tirar Jacob quando ninguém estivesse vigiando o galpão, o que seria impossível.

- Leah, eu posso cuidar de uma pessoa sozinha.

- É claro que pode. - Ela zombou. - Nessie, nós precisamos de ajuda!

- Não, vamos esperar! - Gritei. E junto com meu grito um carro acelerou na entrada do galpão. - Estão fugindo, droga!

Corri para o local o mais rápido que pude. Cheguei em menos de cinco segundos. Jacob estava gritando de dor e aquele grito me fragilizava. Três dos homens que vieram com Marcus estavam colocando tudo dentro do carro para fugir. E Jacob continuava gritando...

- Não temos tempo, Leah. Precisamos atacá-los agora. - Sussurei baixo demais para alguém ouvir e alto o suficiente para Leah ouvir.

Dei a volta no galpão e entrei devagarzinho. Quando o primeiro homem me notou, eu não o deixei ter chance. Enfiei meus dentes pela sua garganta e esmurrei sua cabeça com força para que ele desmaiasse.

Mesmo que eu soubesse que ele tinha feito mal a Jacob, me senti um pouco culpada. Eu não queria matar ninguém.

Me escondi de novo e ouvi Leah atacando alguém lá fora. Ela foi discreta, mas os homens notaram a sua presença e saíram a sua caça.

Ataquei o segundo, o que foi mais difícil, pois um terceiro homem me notou e gritou pedindo ajuda. Eu bati a cabeça do segundo homem na parede e ele caiu. Fui atrás do terceiro e encontrei mais dois homens. Eles tinham armas, que droga!

Um tiro passou por mim, mas descobri que meus reflexos como vampira eram bons demais. Eu conseguia desviar se prestasse atenção e visse que direção a bala estava indo. Eu entrei em luta com um dos homens, e bati com a arma que ele estava segurando na sua cabeça. Menos um.

Os dois que me encontraram eram maiores e mais fortes. Eles atiraram três vezes contra mim e eu me escondi. Por sorte, a última bala não me pegou. Eu tentei entrar em luta, mas um deles segurou meu braço e torceu meu pulso. Meu celular tocou repentinamente e eu me assustei, dando vantagem ao meu adversário. Eu caí no chão. Não sentia nenhuma dor no pulso, entretanto o toque no meu celular me irritava.

Levantei antes que eles atirassem, e vi Leah entrar pela porta da frente. Ela acabou com os três homens que estavam lá fora. Ao contrário de mim, Leah estava os matando.
Tentei esmurrar o estômago do indivíduo que eu estava lutando, assim como Jacob me disse para fazer, mas ele pareceu nem sentir. O arrependimento de não ter tido aula com os melhores lutadores vampiros do mundo, a minha família e amigos, vieram logo depois.
Leah veio me ajudar com esse assim que acabou com seu adversário. Eu vi sangue no chão e soube que ela havia dado um tiro no cara.

Ela apontou a arma pra ele, e eu caí no chão com o empurrão que ele me deu. Só ouvi o disparo e vi que ele havia caído no chão. Tentei não olhar muito.

- Ainda falta um. - Leah me disse. Ela estava suada e arfando. Eu também deveria estar.

Marcus estava com Jacob do outro lado. Eu sabia que assim que passasse pelos blocos teria que enfrentá-lo. Meu coração disparava esperando um disparo em Jacob, mas eu sabia que Marcus era sacana o suficiente para querer fazê-lo morrer na minha frente.

- O que é isso na sua roupa? - Quase gritei quando vi uma mancha de sangue em sua bermuda. 

- Já estou bem, Nessie. - Ela me disse, mas por trás da sua voz havia dor. Ela havia levado um tiro. Eu queria tirá-la dali o mais rápido possível.

- Vá para casa. Do Marcus eu cuido sozinha. - Ela negou com a cabeça.

- Leah, vá! Jacob pode me ajudar.

- Você ainda não o viu. Ele não vai poder te ajudar.

- Fique aqui, então. Chame ajuda.

Ela pareceu não me ouvir, então eu segui em frente. A cada passo que eu dava o meu amor por Jacob aumentava. Eu não era corajosa para enfrentar Marcus, eu tinha medo do que ele poderia causar. Eu só amava Jacob mais do que sentia medo, e a minha inspiração vinha disso.

Quando cheguei, Marcus estava apontando uma arma para Jacob. Ele sorriu delirante quando me viu chegar e Jacob gemeu de dor ou descontentamento.

- Olá, gatinha. - Ele me disse. - Então, como vamos fazer?

- Volte, Nessie. - Jacob gemeu. - Volte agora!

- É você ou é ele? - Marcus perguntou.

- Acho que será você, Marcus. - Eu respondi sem deixar intimidar.

- Você parece corajosa, mas não é forte o suficiente para me enfrentar. Não queria matá-la, você é jovem demais para morrer.

- Você não vai me matar. - Eu afirmei. Queria esganá-lo. Eu estava fervendo de raiva, literalmente. Meu corpo parecia com febre.

- Talvez eu mate seu marido. - Ele apontou a arma mais uma vez para Jacob.

- Por que está fazendo isto conosco, Marcus? O que fizemos para você?

- Vocês são uns nojentos. - Ele rosnou como um cachorro. - Só porque eu roubei aquele colar estúpido eu fui parar na cadeia. Meus pais não me querem mais como filho. Eu perdi tudo por causa de vocês.

- Mas o que você fez foi errado. - Tentei argumentar, mas na verdade estava ganhando tempo e pensando como iria atacar sem que ele atirasse em Jacob.

- Vocês tem todo o dinheiro do mundo. Eu nunca tive nada. Minha única oportunidade foi roubar o colar. Eu iria sumir e ser muito feliz, mas vocês estragaram tudo.

- Você foi pelo caminho mais rápido, mas também o mais difícil.

- Cale a boca! - Ele gritou e a arma tremeu em sua mão. Olhei para Jacob que estava agoniado, tentando tirar as algemas de suas mãos. Vi que ele estava sangrando também.

- Então acho que podemos resolver isto, certo? Quanto você quer para nos deixar em paz?

- Eu disse para você calar a boca! - Ele gritou novamente.

Ouvi uma movimentação lá fora e sabia que alguma ajuda havia chegado. Eu esperava que Leah tivesse avisado que havia um maníaco com uma arma apontada para a cabeça de Jacob.

- Vamos tentar nos ajudar, Marcus. - Eu tentei novamente.

- Se você não calar a boca, vou atirar o mais rápido.

Assim que Marcus terminou de gritar comigo mais uma vez, ouvi passos atrás de mim. Eu já tinha ajuda vindo e estava chegando a hora de atacar.

- Nessie, vá embora, por favor. Vá! - Jacob tentou novamente, mas ele estava fraco demais. Parecia que iria desmaiar a qualquer momento.

- Não, Jacob. Eu vou salvar você.

Marcus tentou discordar comigo, mas eu avancei sobre ele com toda a força que tinha. Como ele havia virado para me encarar, a arma já não estava na mira de Jacob. Enquanto eu estava em cima de Marcus, tentava usurpar o revólver preto.

Enquanto eu lutava com Marcus, alguém cuidou de Jacob e dois se transformaram em lobos. Eu não podia ver quem era quem, mas tratei de fazer o que vim para fazer. Mordi Marcus, sem sugar seu sangue, e sim para machucá-lo. Ele gritou forte de dor. Eu o mordi novamente, ele teria que sentir a dor que Jacob sentiu. A morte era fácil demais e depois que ele viu os lobos e minha ação como vampira, não poderia mais viver...

Um lobo avermelhado puxou o braço de Marcus pelos dentes. Era Jacob. Ele puxou Marcus quase arrancando um de seus braços e eu sai de cima dele. Fiquei deitada no chão ainda. Algo dentro de mim estava doendo. Olhei para baixo. Marcus havia me dado um tiro quando eu o ataquei. Um tiro na barriga.

Assim que parei com toda a adrenalina, senti meu corpo inteiro doer e senti cheiro de sangue. Um era meu, e o outro provavelmente de Marcus. Minha visão começou a embaçar e notei que meu nariz estava sangrando. Sam veio me ajudar e me carregou para fora. Eu ouvi um último grito de Marcus lá dentro e depois não vi mais nada.


Quando acordei, estava deitada dentro do carro. Leah estava rasgando a minha blusa. Eu tentei dizer algo, mas estava tudo muito dolorido e se eu abrisse minha boca talvez gritaria.

- Sam, me ajude. Acho que precisamos levá-la ao hospital. Ela não se cura como nós.

Alguém tentou arrancar a bala dentro do meu corpo e eu gritei. Leah estava chorando e quando olhei para minha barriga vi que estava sangrando ainda mais.

- Ah! - Gritei novamente, mas a dor me despertou.

Rasguei minha blusa e apertei com muita força o meu ferimento. Leah estava me ajudando e eu perguntei se ela já tinha se recuperado.

- Sim. Estou bem. - Ela respondeu.

- Onde está Jacob? - Perguntei.

- Ele foi de carro com os meninos para o hotel. Ele desmaiou depois que se transformou em lobo. Precisávamos alimentá-lo.

Eu assenti. Estava fraca demais também, mas não de fome. Eu estava com medo de ter uma hemorragia e morrer, por isto achei que era melhor começarmos a voltar para a nossa cidade. Sam concordou com a minha ideia.

- Nessie, há algo que precisamos te dizer. - Ele disse.

- O que é? - Perguntei. Meu coração batia como se eu fosse infartar a qualquer momento.

- Seu celular não parou de tocar o tempo todo, desde que você pulou para cima de Marcus. Eu tomei a liberdade de atender, era seus pais e então eu contei tudo a eles...

- Tudo bem. A bronca dos meus pais pode ser adiada mais um pouco.

- Não é isso. Você precisa ligar para eles.

Peguei o celular imediatamente e alguém atendeu no primeiro toque.

- Filha? - Era minha mãe. - Você está bem? VOCÊ FICOU LOUCA?

- Mãe! - Eu gritei aliviada. - Eu estou bem.

- Você não deveria ter mentido. Eu... Eu estou muito brava com vo...

- Eu sei. - Não deixei-a terminar. - Vou ficar bem.

- Nessie, preciso dizer uma coisa

- Diga!

- Aconteceu algo. Um acidente. Tyler está morto!

Meu coração perdeu uma batida. O irmão oposto de Marcus. Meu amigo. Amigo de Jacob. Aquele garoto legal e companheiro estava morto. Eu não aguentei tudo isto em um só dia, e dei um último suspiro.

PARA VER TODOS OS CAPÍTULOS DESSA FANFIC, CLIQUE AQUI


                                                         Atenção!
Se você ainda não curtiu a nossa página no Facebook, curta aqui. E caso queira ser notificado quando postarmos um novo capítulo, siga a imagem abaixo e clique em 'Obter Notificações'.



Seu comentário é muito importante para nós, deixe sua opinião!

13 comentários:

  1. Vocês não vão demorar pra postar o outro não, não eh?

    ResponderExcluir
  2. quando vem o próximo? espero que não demore tanto quanto este demorou, já estou ansiosa...

    obs responda para o email rayanarafaelli@gmail.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Rayana, seu comentário já está respondido através do e-mail. Beijos

      Excluir
  3. lindo lindo Q bom q vcs postaram de novo por favor n parem viu !!! bjs carol

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Carol!

      Obrigada <3 Não iremos parar, não!
      Beijos

      Excluir
  4. ameiii,fikei triste por Tyler,curiosa para o próximo capitulo

    Ass:FER

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Fer!

      Também ficamos tristes pelo Tyler :(

      Obrigada por ler e gostar da nossa fanfic <3
      Beijos

      Excluir
  5. Meninas,que capitulo maravilhoso foi esse?! :O
    Estou adorando como sempre e estou loouca pelo próximo capítulo!Gente,tomara que no final fique tudo bem,só não ficou td bem pro Tyler tadinho! :'(
    Quando sai o próximo cap?
    Beijos! ;*

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Evellin!

      Awn muito obrigada <3 Enche nosso coração de alegria ouvir elogios como o seu!

      O próximo capítulo ainda está sendo escrito, mas você pode ficar sabendo quando ele for postado pelo facebook do blog :)

      Beijos!

      Excluir
  6. Adorei, estou super ansiosa para o próximo capítulo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Luana!

      Muito obrigada!!! Também estou louca para ler o próximo!

      Beijos :*

      Excluir
  7. Oi meninas, sou Adriana, já falei com a Melissa por email, a respeito de fazer uma análise das fanfics de vcs pra um trabalho de mestrado. Posso manter contato com vcs através da melissa? Futuramente, gostaria de entrevistá-las.O que acham? Posso contar com a cooperação de vcs?
    Parabéns, os diários são ótimos, criativos e causam uma vontade enorme de sempre lê-los. Bjs

    ResponderExcluir

Pedimos que comentem suas opiniões, críticas e ideias com o devido respeito, ou seja, sem palavras obscenas ou grosseiras. Caso contrário, seu comentário será deletado.

Sintam-se a vontade para perguntar e tirar suas dúvidas sobre qualquer postagem do blog. Se quiser que uma resposta de volta, deixe seu e-mail. Abraços!